Grenjar, o Legionário da Fúria Primordial

Description:
Bio:

Lutar até a morte,
em nome de seus ancestrais,
em nome de seus deuses antigos,
pelo bem de seus companheiros.

Uma vida é única,
aquele que se vai,
no pós morte,
nada leva,
não há valia o que fora do plano material.

Em uma terra de desolação,
minha arma, minha armadura, meu poder:
coragem, honra e fúria,
em uma terra de caos, medo impera
como um martelo que retorce o ferro,
almas fracas são retorcidas.

Tempo,
os mortos riem,
onde não há vida,
existe dor e sofrimento
não existe tal palavra.

Assim inicio minha jornada…

Acordo, em terra estranha,
ao meu lado, meu amigo,
meu sacrifício fora em vão…

…ou talvez,
ele que veio em meu socorro,
pois, para sobreviver, estamos lado a lado,
há dias que descanso e meu amigo é quem luta,
há dias que luto e meu amigo é quem descansa,
os que aqui vagueiam, parecem nos testar,
os tolos nos atacam e dos mais fortes fugimos.

Após longas jornada, nos perdemos, nos separamos,
porém não me preocupo, tornamo-nos mais fortes.

Ao longe, vejo uma fortaleza,
no caminho encontro meus irmãos,
idiota, neste mundo laços de sangue não contam,
corrompidos pelo medo, escravos da dor,
eles me atacam,
já não me importo com nada,
só em lutar,
eu vou mata-lós…

As almas que aqui são destruídas, tornam-se nada,
este é o verdadeiro fim?

Eis que surge um guerreiro,
eu estava sendo testado,
e não sabia.

Seu nome, Sir Valohkar Jonknar I
( http://flrpg.files.wordpress.com/2011/04/barbarian_concept_by_zyklon8b.jpg )
idiota,
títulos e nomes nesta terra nada são.

A medida que caminhamos,
é contada a história,
e nada,
absolutamente nada nos importuna.

Segue a história, contada por Sir Valohkar:

Desculpe não ajuda-lo, ou melhor, não importuna-lo risos em sua luta, mas era preciso, precisava testa-lo, pois sou seu ancestral e antes de você, outros de sua linhagem fracassaram em passar, tornaram-se estes seres corrompidos a quem combateste.
Sei que tens muitas perguntas, mas agora, devemos seguir em direção a última fortaleza de Valhalla…
Outrora um citadela poderosa, contada pelos bardos, como o destino dos bravos e corajosos, um local onde guerreiros poderiam descansar, hoje, poucos os que aqui chegam e não perecem, orgulhosa de ainda repelir hordas demoníacas e conter a cólera dos Anastasi, é o coração dos puros do Norte sua muralha.
Dos deuses Bondosos, foram os do Norte, os únicos, a serem combatidos, pois recusaram seguir com o Arquiteto e permanecer com os seus filhos terrenos.
Em batalha, com valor, coragem e exemplo de liderança lutaram, em seus derradeiro fim, o que restava de seus poderes, uniram, e hoje o que protege Valhalla é o fogo primordial.
Este fogo é o que Anastasis temem, possui a força divina capaz de aniquila-los, após sua criação, muitos outros guerreiros foram sacrificados, para levar uma parte ao Elysium.
Hoje são dois os últimos templos com a centelelha divina, Valhalla e Elysim, mas não se sabe até quando suportarão…

Sir Valohkar, como vim a descobrir mais tarde é meu último antepassado, não obliterado, por isso há tristeza em seu semblante, ao saber que o último de sua linhagem pereceu e agora corre o risco de ter o mesmo destino, resta-lhe agora é treinar-me para que possa um dia ver a glória de Vahalla retornar…

…A vida, idiota, não há mais vida aqui,
os que aqui estão, sempre com armas em mãos, prontos para o combate, porém não existe o mesmo furor e gosto de lutar, aqui luta-se pelo destino, pelos antigos deuses, por nosso povo.
Não somos poucos, mas não o suficiente, de tempos em tempos, se não fossem os bardos, estaríamos condenados, medos e tristeza iriam consumir a todos, pois há sempre uma nova perda.

Fui iniciado nos segredos dos Deuses, aprendi os ritos de passagem de vida e morte, como meus novos irmãos, faço parte da legião de Vahalla, a legião da Fúria Primordial.

Acordo de um transe, meu corpo parece não estar mais neste plano, meus colegas ao meu redor entram em pânico, vejo no rosto de Sir Valohkar uma lágrima, parece que ele sabe o que irá acontecer…
..suas últimas palavras: “Você irá retornar…”

…acordo, mas não estou mais em terra estranha, parece que não passou tudo de um sonho, porém engano meu, trago comigo, de lá, a única coisa que me é permitido possuir, o elmo da legião e apesar de força jovial, meu aspecto físico mudou, não mais estou lá, estou novamente no plano material, porém, meu espírito endureceu pois pareço velho.

Foi me ensinado segredos, estes que guardarei comigo.
Fui ensinado no caminho da Legião da Fúria Primordial, onde quer que eu esteja:
“Não tenho nome,
não tenho títulos,
em batalha, minha fúria é meu poder,
meu coração primordial.
Sou da legião, a legião sou eu,
em nomes dos Deuses do norte, o mal cairá.”

Este agora sou eu, Legionário da Fúria Primordial.

Grenjar, o Legionário da Fúria Primordial

Dogmata joaomarcalves viniciusbernardes